Quem somos


PROJETO RIOS LIVRES

 

 

“Rios Livres” é um projeto do GEOTA – Grupo de Estudos de Ordenamento do Território e Ambiente que tem como missão preservar os rios selvagens em Portugal e alertar para a importância social, ambiental e económica dos ecossistemas ribeirinhos.

MISSÃO

Fazer ativismo em defesa de rios livres e limpos: promover a sua importância e funções, despertar mentes e mobilizar pessoas para a sua proteção, valorizar as suas paisagens, ecossistemas e populações, lutar pela remoção de barreiras e a não construção de barragens inúteis e pela despoluição das massas de água.

VISÃO

Defender rios vivos: proteger os livres, cuidar dos ameaçados, salvar os que estão em risco.

VALORES

Acreditamos:

Na liberdade: de expressão e opinião baseadas num espírito crítico honesto, respeitador e construtivo;

No ativismo: irreverente, combativo e desafiante;

Na exigência e rigor intelectual: cultivando a responsabilidade e transparência nos argumentos, na comunicação e na ação;

Numa abordagem holística: redefinindo conceitos de sustentabilidade e conservação na proteção dos ecossistemas;

No espírito de equipa e entrega: através do compromisso, partilha, parceria e alteridade;

Na importância de Rios Vivos: afirmando o seu valor intrínseco e importância para as suas comunidades;

Na utopia: temos paixão pelo que fazemos, acreditamos na mudança e no vanguardismo das nossas ideias.

OBJETIVOS

  • Aumentar a consciência pública sobre a urgência de proteger e preservar rios, divulgando as suas caraterísticas e relacionando-as com modelos de desenvolvimento sustentáveis;
  • Mudar o paradigma da gestão dos recursos hídricos, democratizando-a, através da informação e consciencialização para os serviços prestados pelos ecossistemas ribeirinhos;
  • Lutar contra os impactes negativos – existentes e previstos – de atividades humanas que coloquem os rios em causa de forma significativa e impedir a sua exploração em benefício de interesses que não sejam os do interesse comum;
  • Travar a concretização do Plano Nacional de Barragens e a construção de novas barragens inúteis;
  • Impedir a degradação de rios, denunciando os problemas relacionados com a poluição e a alteração hidromorfológica;
  • Promover a identificação das barreiras existentes nos rios, de modo a diagnosticar a redução dos seus impactes e construir/desenvolver mecanismos de proteção;

 

GEOTA

 

 

O GEOTA – Grupo de Estudos de Ordenamento do Território e Ambiente é uma Organização Não-Governamental de Ambiente (ONGA) de âmbito nacional, com estatuto de Utilidade Pública. Constituiu-se legalmente em 1986, mas a sua existência enquanto grupo de reflexão e educação na área do ambiente remonta a 1981.

O GEOTA tem como missão a defesa do ambiente e a promoção do desenvolvimento sustentável, segundo as vertentes da educação, da informação, da formação profissional, da reflexão e intervenção política, da cooperação para o desenvolvimento e da realização de ações para a resolução de problemas ambientais específicos.

 

PRINCÍPIOS

Desenvolvimento sustentável

O GEOTA nasceu a partir de uma ideia fundamental: é indispensável considerar o Ambiente como um factor central de desenvolvimento. Não há desenvolvimento possível sem salvaguardar os recursos ambientais, tal como não é possível proteger o ambiente à revelia das aspirações dos cidadãos e cidadãs. Defendemos um conceito de Ambiente englobando não só a Natureza mas também a paisagem humanizada, os valores culturais, a qualidade de vida das pessoas e a gestão dos recursos naturais.

Trabalho voluntário de base

O GEOTA é aberto a todas as pessoas. Embora tenha ao seu serviço profissionais, o estatuto de membro de pleno direito e os cargos de direção baseiam-se estritamente no trabalho voluntário, pilar fundamental da atividade associativa.

Competência

As posições, trabalhos e intervenções públicas do GEOTA são sempre fundamentados. Recusamos a demagogia e o espectáculo pelo espectáculo, em favor da seriedade, do conhecimento rigoroso e da qualidade.

Independência e contra-poder

O GEOTA é totalmente independente face a instituições oficiais, interesses económicos, corporativos ou outros. Sempre assumiu e assumirá uma postura crítica face aos poderes políticos vigentes, qualquer que seja a sua ideologia.

Postura construtiva

O GEOTA pretende contribuir para o progresso da sociedade, nunca se limitando à crítica estéril. Está, portanto, sempre aberto à colaboração com outras entidades na prossecução de objetivos comuns.

Postura irreverente

O trabalho no GEOTA não é apenas algo profundamente sério, pela importância dos assuntos em jogo — é também uma atividade lúdica, uma expressão do nosso modo de estar. Não somos convencionais ou cinzentos, não reverenciamos os poderes instalados, não aceitamos as coisas como estão.

Aposta no associativismo

O GEOTA defende uma filosofia “em rede” para o movimento associativo, onde seja privilegiada a total autonomia e especificidade de cada associação, em paralelo com a colaboração em projetos de interesse comum. Apostamos numa estrutura representativa com estatuto de parceiro social (Confederação, ao nível das confederações patronais e sindicais), mas recusamos qualquer forma de liderança dirigista do movimento.

Idealismo nos objectivos, realismo na ação

O ambiente que queremos defende-se no dia a dia, mas demora uma vida a construir.

Reflexão e intervenção política do GEOTA

Desde sempre que uma das prioridades do GEOTA foi a intervenção junto dos poderes políticos ao mais alto nível, no sentido de promover um modelo de desenvolvimento sustentável: em Portugal, junto do Presidente da República, Assembleia da República, Governo, Procuradoria-Geral da República; internacionalmente, junto da Comissão Europeia e outras organizações internacionais.

Este tipo de intervenção, rigorosamente independente e apartidária, consubstancia-se em estudos temáticos, pareceres, propostas de legislação e regulamentação sempre rigorosamente fundamentados.

Clique AQUI para conhecer melhor o trabalho do GEOTA.