Quem somos


[:pt]

PROJETO RIOS LIVRES

 

 

“Rios Livres” é um projeto do GEOTA – Grupo de Estudos de Ordenamento do Território e Ambiente  que tem como missão preservar os rios selvagens em Portugal e alertar para a importância social, ambiental e económica dos ecossistemas ribeirinhos.

O Programa Nacional de Barragens de Elevado Potencial Hidroelétrico (PNBEPH), cujo objetivo inicial era a construção de dez barragens de grande dimensão para produção de energia elétrica é, neste momento, uma das maiores ameaças aos rios portugueses.

É nossa missão tudo fazer para travar o Programa Nacional de Barragens de Elevado Potencial Hidroeléctrico e impedir a construção das barragens aprovadas para os rios portugueses.

Os nossos objectivos são os seguintes:

  • Informar, disseminar e provar que as grandes barragens não asseguram um fornecimento de energia “verde” ou confiável e que têm enormes impactes negativos ambientais e sociais;
  • Informar, disseminar e provar que há outras formas menos agressivas e mais baratas de obter energia, em detrimento da produzida pelas grandes barragens;
  • Impedir a concretização do Plano Nacional de Barragens;
  • Aumentar a consciência pública sobre a urgência de proteger e preservar rios selvagens portugueses, divulgando as suas caraterísticas e relacionando-as com modelos de desenvolvimento sustentáveis.

 

GEOTA

 

 

O GEOTA – Grupo de Estudos de Ordenamento do Território e Ambiente é uma Organização Não-Governamental de Ambiente (ONGA) de âmbito nacional, com estatuto de Utilidade Pública. Constituiu-se legalmente em 1986, mas a sua existência enquanto grupo de reflexão e educação na área do ambiente remonta a 1981.

O GEOTA tem como missão a defesa do ambiente e a promoção do desenvolvimento sustentável, segundo as vertentes da educação, da informação, da formação profissional, da reflexão e intervenção política, da cooperação para o desenvolvimento e da realização de ações para a resolução de problemas ambientais específicos.

 

PRINCÍPIOS

Desenvolvimento sustentável

O GEOTA nasceu a partir de uma ideia fundamental: é indispensável considerar o Ambiente como um factor central de desenvolvimento. Não há desenvolvimento possível sem salvaguardar os recursos ambientais, tal como não é possível proteger o ambiente à revelia das aspirações dos cidadãos e cidadãs. Defendemos um conceito de Ambiente englobando não só a Natureza mas também a paisagem humanizada, os valores culturais, a qualidade de vida das pessoas e a gestão dos recursos naturais.

Trabalho voluntário de base

O GEOTA é aberto a todas as pessoas. Embora tenha ao seu serviço profissionais, o estatuto de membro de pleno direito e os cargos de direção baseiam-se estritamente no trabalho voluntário, pilar fundamental da atividade associativa.

Competência

As posições, trabalhos e intervenções públicas do GEOTA são sempre fundamentados. Recusamos a demagogia e o espectáculo pelo espectáculo, em favor da seriedade, do conhecimento rigoroso e da qualidade.

Independência e contra-poder

O GEOTA é totalmente independente face a instituições oficiais, interesses económicos, corporativos ou outros. Sempre assumiu e assumirá uma postura crítica face aos poderes políticos vigentes, qualquer que seja a sua ideologia.

Postura construtiva

O GEOTA pretende contribuir para o progresso da sociedade, nunca se limitando à crítica estéril. Está, portanto, sempre aberto à colaboração com outras entidades na prossecução de objetivos comuns.

Postura irreverente

O trabalho no GEOTA não é apenas algo profundamente sério, pela importância dos assuntos em jogo — é também uma atividade lúdica, uma expressão do nosso modo de estar. Não somos convencionais ou cinzentos, não reverenciamos os poderes instalados, não aceitamos as coisas como estão.

Aposta no associativismo

O GEOTA defende uma filosofia “em rede” para o movimento associativo, onde seja privilegiada a total autonomia e especificidade de cada associação, em paralelo com a colaboração em projetos de interesse comum. Apostamos numa estrutura representativa com estatuto de parceiro social (Confederação, ao nível das confederações patronais e sindicais), mas recusamos qualquer forma de liderança dirigista do movimento.

Idealismo nos objectivos, realismo na ação

O ambiente que queremos defende-se no dia a dia, mas demora uma vida a construir.

 

Reflexão e intervenção política do GEOTA

Desde sempre que uma das prioridades do GEOTA foi a intervenção junto dos poderes políticos ao mais alto nível, no sentido de promover um modelo de desenvolvimento sustentável: em Portugal, junto do Presidente da República, Assembleia da República, Governo, Procuradoria-Geral da República; internacionalmente, junto da Comissão Europeia e outras organizações internacionais.

Este tipo de intervenção, rigorosamente independente e apartidária, consubstancia-se em estudos temáticos, pareceres, propostas de legislação e regulamentação sempre rigorosamente fundamentados.

Clique AQUI para conhecer melhor o trabalho do GEOTA.

 [:en]PROJETO RIOS LIVRES

“Rios Livres” é um projeto do GEOTA – Grupo de Estudos de Ordenamento do Território e Ambiente  que tem como missão preservar os rios selvagens em Portugal e alertar para a importância social, ambiental e económica dos ecossistemas ribeirinhos.

O Programa Nacional de Barragens de Elevado Potencial Hidroelétrico (PNBEPH), cujo objetivo inicial era a construção de dez barragens de grande dimensão para produção de energia elétrica é, neste momento, uma das maiores ameaças aos rios portugueses.

O PNBEPH está atrasado. Apenas a barragem de Foz Tua (rio Tua) está em efetiva construção, ainda que estejam a iniciar-se as obras em Girabolhos-Bogueira (rio Mondego) e procedimentos administrativos e legais em Fridão, Gouvães, Alto Tâmega e Daivões (Rio Tâmega e afluentes). O empreendimento de Alvito (rio Ocreza) foi abandonado.

O projecto Rios Livres tem como missão parar o Programa Nacional de Barragens de Elevado Potencial Hidroeléctrico e impedir a construção das sete barragens aprovadas para os rios portugueses. Os seus objectivos são os seguintes:

 

a)    Informar, disseminar e provar que as grandes barragens não asseguram um fornecimento de energia “verde” ou confiável e que têm enormes impactes negativos ambientais e sociais;

 

b)    Informar, disseminar e provar que há outras formas menos agressivas e mais baratas de obter energia, em detrimento da produzida pelas grandes barragens;

 

c)    Impedir a concretização do Plano Nacional de Barragens, preferencialmente através da paragem de construção de uma grande barragem (Foz-Tua);

 

d)    Aumentar a consciência pública sobre a urgência de proteger e preservar rios selvagens portugueses, divulgando as suas caraterísticas e relacionando-as com modelos de desenvolvimento sustentáveis.

 

logo geota

O GEOTA – Grupo de Estudos de Ordenamento do Território e Ambiente é uma Organização Não-Governamental de Ambiente (ONGA) de âmbito nacional, com estatuto de Utilidade Pública. Constituiu-se legalmente em 1986, mas a sua existência enquanto grupo de reflexão e educação na área do ambiente remonta a 1981.

O GEOTA tem como missão a defesa do ambiente e a promoção do desenvolvimento sustentável, segundo as vertentes da educação, da informação, da formação profissional, da reflexão e intervenção política, da cooperação para o desenvolvimento e da realização de ações para a resolução de problemas ambientais específicos.

 

PRINCÍPIOS

 

Desenvolvimento sustentável
O GEOTA nasceu a partir de uma ideia fundamental: é indispensável considerar o Ambiente como um factor central de desenvolvimento. Não há desenvolvimento possível sem salvaguardar os recursos ambientais, tal como não é possível proteger o ambiente à revelia das aspirações dos cidadãos. Defendemos um conceito de Ambiente englobando não só a Natureza mas também a paisagem humanizada, os valores culturais, a qualidade de vida das pessoas e a gestão dos recursos naturais.

 

Trabalho voluntário de base
O GEOTA é aberto a todas as pessoas. Embora tenha ao seu serviço profissionais, o estatuto de membro de pleno direito e os cargos de direcção baseiam-se estritamente no trabalho voluntário, pilar fundamental da actividade associativa.

 

Competência
As posições, trabalhos e intervenções públicas do GEOTA são sempre fundamentados. Recusamos a demagogia e o espectáculo pelo espectáculo, em favor da seriedade, do conhecimento rigoroso e da qualidade.

 

Independência e contra-poder
O GEOTA é totalmente independente face a instituições oficiais, interesses económicos, corporativos ou outros. Sempre assumiu e assumirá uma postura crítica face aos poderes políticos vigentes, qualquer que seja a sua ideologia.

 

Postura construtiva
O GEOTA pretende contribuir para o progresso da sociedade, nunca se limitando à crítica estéril. Está, portanto, sempre aberto à colaboração com outras entidades na prossecução de objectivos comuns.

 

Postura irreverente
O trabalho no GEOTA não é apenas algo profundamente sério, pela importância dos assuntos em jogo — é também uma actividade lúdica, uma expressão do nosso modo de estar. Não somos convencionais ou cinzentos, não reverenciamos os poderes instalados, não aceitamos as coisas como estão.

 

Aposta no associativismo
O GEOTA defende uma filosofia “em rede” para o movimento associativo, onde seja privilegiada a total autonomia e especificidade de cada associação, em paralelo com a colaboração em projectos de interesse comum. Apostamos numa estrutura representativa com estatuto de parceiro social (Confederação, ao nível das confederações patronais e sindicais), mas recusamos qualquer forma de liderança dirigista do movimento.

 

Idealismo nos objectivos, realismo na acção
O ambiente que queremos defende-se no dia a dia, mas demora uma vida a construir.

 

Reflexão e intervenção política do GEOTA
Desde sempre que uma das prioridades do GEOTA foi a intervenção junto dos poderes políticos ao mais alto nível, no sentido de promover um modelo de desenvolvimento sustentável: em Portugal, junto do Presidente da República, Assembleia da República, Governo, Procuradoria-Geral da República; internacionalmente, junto da Comissão Europeia e outras organizações internacionais.

Este tipo de intervenção, rigorosamente independente e apartidária, consubstancia-se em estudos temáticos, pareceres, propostas de legislação e regulamentação sempre rigorosamente fundamentados.

 

Clique AQUI para conhecer melhor o trabalho do GEOTA. [:]