Tua


O rio Tua é um dos principais afluentes do rio Douro e resulta da junção dos rios Tuela e Rabaçal, ambos nascidos em Espanha. O Tua forma-se apenas em território português, a montante da cidade de Mirandela, onde inicia a sua viagem até se encontrar com o Douro.

Imagem de marca dos caminhos de ferro nacionais, a centenária Linha do Tua corre lado a lado com o Vale e é considerada umas das vias férreas mais bonitas de europa. A sua via estreita, típica de montanha, foi durante décadas motor de desenvolvimento para Trás-os-Montes e Alto Douro, levando produtos que ainda hoje são imagem de marca da região, como a cortiça, o azeite, a castanha ou as famosas alheiras, a todo o país.

O percurso da Linha foi sendo amputado desde que, em Outubro de 1992, o governo liderado por Cavaco Silva decidiu acabar com a ligação a Bragança. Infelizmente, em 2008, fruto de anos de desinvestimento e incúria do Estado a linha foi encerrada, com o argumento de que não oferecia condições de segurança, após terem ocorrido diversos acidentes, alguns mortais. Na verdade, o objectivo sempre foi o de permitir que fosse construído o Aproveitamento Hidroelétrico de Foz Tua (AHFT), nome pomposo dado à Barragem do Tua.

Concessionada à EDP, no âmbito do Programa Nacional de Barragens com Elevado Potencial Hidroeléctrico (PNBEPH), lançado em 2007, pelo Governo de José Sócrates, a obra irá inundar 420 hectares do Vale. Milhares de árvores serão abatidas, a qualidade da água ficará comprometida, solos agrícolas, habitats raros de várias espécies ameaçadas e protegidas e 22 quilómetros da Linha ficarão para sempre destruídos.

A obra é completamente inútil e constitui um atentado grave, violando o Direito Constitucional ao Ambiente.

O GEOTA e o Projeto Rios Livres integram a Plataforma Salvar o Tua, uma aliança de associações locais, de desenvolvimento, ambientalistas e empresas, que tem liderado a contestação a esta barragem.

 

A Plataforma Salvar o Tua tem por missão proteger o Vale do Tua, um dos rios mais belos de Portugal, alertando para a incompatibilidade da construção da Barragem de Foz Tua com os vários valores protegidos pela classificação do Alto Douro Vinhateiro como Património Mundial.

 

Defende a suspensão imediata das obras antes de serem cometidos danos irreparáveis sobre um património natural de valor social, ecológico e económico inestimável, que é parte da nossa herança cultural e identidade nacional.

 

Junte-se a nós em www.salvarotua.org e facebook.com/plataformasalvarotua