São vários os casos preocupantes que nos têm sido reportados por habitantes das aldeias de Ribeira de Pena próximas do local da construção da barragem de Daivões (uma das 3 do Sistema Eletroprodutor do Tâmega – SET – promovido como o maior empreendimento hidroelétrico europeu dos últimos 20 anos), concessionada à Iberdrola.

O alerta chegou-nos da Comissão de Moradores de Fonte do Mouro, que relatou os vários danos causados pelas explosões usadas na construção de um conjunto de túneis e condutas gigantes que ligarão a albufeira de Daivões à da barragem de Gouvães, para fazerem bombagem de água de uma para a outra.

A Iberdrola, quando contactada pelos afetados, recusa frequentemente responsabilidades, descartando-as para sub-empreiteiros, que por sua vez também se desresponsabilizam.

A Câmara Municipal de Ribeira de Pena tem recebido diversas reclamações mas não dá qualquer resposta nem apoia a sua população nas reivindicações junto da Iberdrola.


Reportagens CMTV


Várias casas apresentam rachas estruturais, existem relatos de os rebentamentos serem efetuados inclusivamente durante a noite e outros sobre diversas evacuações de emergência em restaurantes e cafés da zona, feitos pela GNR, a pedido da Iberdrola. Num dos casos, uma torrente de lama soterrou parcialmente uma casa, e a Iberdola recusa-se a pagar a totalidade dos danos avaliados.

Além disso, vários agricultores queixam-se de lhes terem sido impedidos acessos às suas terras de cultivo, sem aviso nem indemnização, para serem construídas estruturas secundárias da obra. Também diversos canais de rega têm sido destruídos, o que tem uma influência direta nos meios de subsistência de muitas pessoas da região.

A Iberdola (legalmente responsável por todos os constrangimentos causados pela obra, incluindo os criados pelas sub-empreitadas), reporta à Agência Portuguesa do Ambiente e à Comissão de Acompanhamento Ambiental as reclamações. No entanto, indica que todos os problemas ficaram resolvidos quando, na realidade, os relatos e as imagens da CMTV mostram o contrário.

Isto constitui um incumprimento grave das obrigações da Iberdrola enquanto concessionária.

A CMTV continuará a acompanhar o caso e promete divulgar novas informações e relatos em breve.

O Rios Livres GEOTA, na qualidade de membro da Comissão de Acompanhamento Ambiental do SET, irá continuar atento a este e outros casos, próximo das populações e disponível para continuar a ajudar e dar voz às suas reivindicações. E exigirá em todas as instâncias que a Iberdrola cumpra com as suas obrigações e tome medidas compensatórias justas para com todos os habitantes prejudicados pela construção das barragens do Sistema Eletroprodutor do Tâmega.

Subscreve a Newsletter Rios Livres GEOTA e fica a par das novidades!